Notícias

01/02/2019Qualidade de vida pós-prótese de quadril

Dor. Está é a principal queixa dos pacientes que têm diagnóstico de artrose ou osteonecrose no quadril. As duas doenças não têm cura, são progressivas e, em algum momento, a cirurgia de prótese total para substituição da articulação comprometida pela doença é um caminho de alívio.

“Na minha visão, quem diz quando vai operar é sempre o paciente. A partir do momento em que ele começa a ter um prejuízo na qualidade de vida muito grande, começa a não conseguir mais fazer as atividades que fazia antes por causa da dor, começa a se isolar socialmente e a tomar medicação todos os dias é o momento em que a prótese é bem indicada para melhorar a qualidade de vida”, explica Dr. Tomás Seibel, ortopedista especialista em quadril da Uniorte.

Segundo ele, a cirurgia alivia a dor que acompanhava o paciente. “A cirurgia de prótese elimina a dor, este é o maior benefício. Além disto, em casos graves de artrose há uma limitação no arco de movimento do quadril, nestes casos a pessoa não consegue mais abrir a perna, isso prejudica a higiene e a vida pessoal. Esta perda da amplitude de movimento é outro prejuízo muito grande que é devolvido após a cirurgia”, acrescenta. Ele pontua que a prótese pode deixar alguma limitação no movimento do quadril, mas bem menor que esta citada. “Na teoria, não existe essa limitação, mas na prática existe sim. Movimentos como agachar não são recomendados. Não são proibidos, mas não são recomendados”, orienta.

Com tantos benefícios, por que se espera tanto para fazer a cirurgia? Na avaliação de Dr. Tomás, isso acontece porque a prótese tem uma durabilidade, não é “para sempre”. “Em geral, ela dura cerca de 10, 15 anos, então, quanto mais tempo o paciente aguentar com a dor, menores as chances dele ter que fazer uma revisão e precisar trocar novamente a prótese”, completa.

Neste sentido, mudanças de hábito podem ajudar a retardar a evolução da artrose. “Evitar ganho de peso, pois o excesso dele acelera o processo de artrose, manter a musculatura reforçada com atividade física monitorada sem impacto, evitar atividades de impacto, a fisioterapia pode vir a ajudar em alguns momentos e há ainda medicações chamadas condroprotetoras que servem para aliviar a dor”, cita o especialista.

Cuidados após a cirurgia são necessários. Dr. Tomás reforça que atividades de impacto são banidas e trabalhos braçais não são recomendados. “É importante evitar tudo o que leva ao uso excessivo da prótese”, resume.

Com o alívio da dor, a cirurgia de prótese de quadril tem alto índice de satisfação. “Ouvimos muito dos pacientes a seguinte frase: ‘por que não fiz antes?’ Esta cirurgia já foi escolhida como a cirurgia do século, de todas as cirurgias da ortopedia ela é a que tem o maior índice de satisfação, variando de 92% a 98%, é um índice muito alto. O paciente geralmente só não fica satisfeito quando o diagnóstico foi errado, ou seja, ele não tinha artrose, o que é muito raro de acontecer, ou quando não segue as orientações e a prótese tem intercorrências como infecção e trombose”, pontua.

 

A prótese pode ser feita de diversos materiais, o que vai importar é a superfície entre a cabeça da prótese e a parte que encaixa no acetábulo (bacia). Pode ser de polietileno, cerâmica, metal... Há uma infinidade de materiais disponíveis e o cirurgião, junto com o paciente, vai definir a melhor conduta. Em caso de dor, procure sempre um especialista para avaliar o caso.

Convênios